Puberdade. O que esperar?

Espinhas. Mamas maiores. Pelos. Mudanças de humor.
Se isso soa familiar, provavelmente você está entrando na puberdade. É um caminho que todas nós percorremos, mas que tem lá seu obstáculos.
É uma transformação maravilhosa, que nos leva da infância à vida adulta. É quando nosso corpo adquire a capacidade de ter bebês, graças à ação dos nossos hormônios.
Mas toda grande transformação pode trazer ansiedade. Saber o que esperar ajuda um pouco.
- Para as meninas, o primeiro sinal de puberdade é o aumento da mama.
- A menstruação geralmente vem mais tarde, um a dois anos após o primeiro aumento da mama. É importante receber a orientação de um adulto sobre como se cuidar nos dias de menstruação.
- Nesse meio tempo, você irá notar o aparecimento de pelos nas axilas e região pubiana, assim como mudanças no odor do corpo e na pele. O formato do corpo também muda bastante, levando muitas vezes ao aparecimento de estrias.
- também é uma fase de muito crescimento. E mudanças no peso, o que pode gerar insegurança em um momento que se cobra tanta magreza.
Essas mudanças não acontecem no mesmo ritmo para todas. E sabemos que as primeiras e as últimas a passarem pela puberdade são sempre mais sujeitas a "bullying". Não é fácil mudar mais rápido ou mais devagar do que as amigas. Saiba apenas que não existe um calendário muito fixo para a puberdade. Geralmente, ela começa por volta dos 8 a 13 anos para as meninas, e termina entre 13 e 15. Se a velocidade dessas mudanças estiver te incomodando, converse com um adulto de sua confiança.
Não esqueça, no entanto, que a puberdade também envolve importantes mudanças invisíveis. A auto-estima é muitas vezes afetada, o que aumenta a nossa propensão a nos sujeitarmos a situações que, lá no fundo, sabemos que não são legais.
Os sentimentos em relação aos meninos também mudam muito. Isso é totalmente normal, mas nem sempre é fácil de administrar. Principalmente porquê, nesse momento, apesar de transparecerem grande segurança, aqueles que nos rodeiam estão tão perdidos quanto nós. Mais uma vez, vale à pena vencer a vergonha e bater um bom papo com um adulto de confiança. Certamente acrescentará mais do que ler sobre relacionamento na internet e em revistas.
Converse. Tire suas dúvidas. Escolha alguém de sua confiança: uma professor, uma prima mais velha, seu pediatra, sua tia, sua avó, seu pai, sua mãe….
Certamente nenhum deles terá todas as respostas. Mas todos terão pelo menos uma.