Parto Normal

Recentemente escrevi uma matéria com este título para a revista a qual sou redatora chefe. Sempre fazemos matérias sobre partos, tipos de partos e tudo que envolve o momento. Mas sempre caímos nos mesmo senões e pensando me dei conta de que a patrulha do parto normal - pausa: eu que escrevo aqui tive 3 partos normais ok - é um saco. É chata e é maldosa. E sabe por que? Porque todo parto é normal!

Repito. Toda forma de nascer, dar à luz, é normal, seja ela humanizada, natural, "normal", cesariana ou qual mais existir pelo mundo afora. Não pode ser anormal ou errada qualquer forma de trazer vida ao mundo e é isso que eu gostaria de ajudar a esclarecer aqui.

Então, vamos começar com calma. Primeiro, abaixe todas as suas bandeiras para poder ler esse artigo sem preconceito, podendo, se não aceitar, ao menos entender por que não é só naquilo em que acreditamos que faz parte da vida - ou seja, o certo e o errado. Afinal, seres humanos fazem escolhas e este é um direito na sociedade em que vivemos. Deveríamos defendemos que está mais do que na hora de respeitarmos as diferenças. Mães costumam criticar a maneira como outras mães agem - seja por dar ou não de mamar, pela forma de educar, pelo que dão para comer, pela rotina (ou falta dela) e, sim, até pela escolha do parto. Assim, julgamos e nos intrometemos na vida de outra família como se tivéssemos direito. Podemos (e devemos) ajudar, aconselhar e informar, mas, nunca, apontar o dedo. Afinal, cada um sabe, melhor do que ninguém, onde a água "bate mais forte". Certo?

Para ficar claro: o mais importante é a vida que geramos dentro do nosso corpo - a vida que cresce, nasce e pede para viver. A maneira de vir ao mundo é apenas um meio - e não deve ser alvo de julgamentos. Óbvio que sou a favor do parto normal! Eu mesma tive 3 filhos assim. Óbvio que sabemos que respeitar esse tempo é respeitar o momento certo em que o bebê está pronto para vir ao mundo. Não existe questionamento sobre isso de forma alguma. O questionamento é sobre a escolha da mãe. Por mais que não concordemos, ela tem esse direito. E sim, toda forma de dar à luz deve ser considerada normal porque nascer não é anormal.

Fonte: Carolina Delboni para o Huffington Post